quarta-feira, 28 de abril de 2010

"Sejamos Contemplativos de Deus e Servidores dos irmãos"! (D.António Francisco)

Sou Padre porque Deus quis e porque eu quis! (Padre Costa Leite)

J.Cristo serve-se de nós para tornar as pessoas mais felizes (Pe Júlio Grangeia)

Ser padre também é uma hipótese! Não devemos fechar as Portas! (Diácono Zé António)

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Pe. Júlio promoveu 1.ª catequese interactiva

O Pe. Júlio Grangeia, arcipreste de Águeda, promoveu pela 1.ª vez uma catequese interactiva. Descubra como foi no site pessoal do sacerdote, entrando no Canal de Tv Online

Cerca de três centenas de pessoas falaram e rezaram pelas vocações








Arciprestado de Águeda reuniu-se em Recardães e nem o temporal evitou grande participação


Cerca de três centenas de pessoas do Arciprestado de Águeda, reuniram-se no passado dia 21 de Abril, no Centro Social de Recardães, para reflectir e rezar pelas Vocações. Em plena Semana de Oração pelas Vocações, que a Igreja celebrou de 18 a 25 de Abril, a Pastoral Juvenil e Vocacional de Águeda promoveu um momento de reflexão e oração pelas Vocações.
A noite contou com dois momentos: um painel vocacional, com alguns testemunhos de diferentes tipos de vocações, e um momento de oração Taizé. Para o painel, que foi moderado pelo arcipreste, Pe. Júlio Grangeia, foi convidado um casal, uma postulante religiosa, uma leiga comprometida e um diácono a caminho do sacerdócio.
Os quatro testemunhos serviram para esclarecer os diferentes caminhos de realização pessoal (matrimónio, vida religiosa, vida laical e ministério sacerdotal), colocando a tónica, no chamamento de Deus e na resposta humana. A plateia escutou com silêncio reverencial as apresentações e, no final, houve oportunidade para um pequeno debate entre os oradores e o auditório.
Finalizado o painel, seguiu-se um breve momento de oração Taizé, com um cenário típico daquela comunidade ecuménica francesa. Cânticos, projecção multimédia, silêncio e oração pelas vocações foram os constituintes deste momento, que foi vivenciado e sentido por todos os presentes.
Porque a vocação diz respeito a todos e se liga à vida, a iniciativa foi proveitosa e pertinente, conjecturando-se já a oportunidade de novas repetições.

Tem-me marcado positivamente estar com uma Equipa de Trabalho (Padre José Camões)

"Marcou-me muito um ataque que me fizeram a uma homilia" (Padre Manuel Armando)

"As coisas que me marcam são às centenas!" (Padre João Paulo)

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Celebração Arciprestal da Semana das Vocações

Celebração Arciprestal da Semana das Vocações
Centro Social de Recardães

21 de Abril de 2010, 21h15



A noite para a qual convidamos todos os cristãos e homens e mulheres de boa vontade do arciprestado de Águeda, será composta por dois momentos.

1. Painel Vocacional
Quatro testemunhos pessoais sobre a forma de viver a vocação: vocação matrimonial, vocação laical, vocação religiosa e vocação sacerdotal
Um casal…
Uma leiga…
Uma religiosa…
Um diácono a caminho do sacerdócio...


No fim das intervenções que não se pretendem mais longas que 7-8 minutos, haverá tempo para diálogo e debate com a plateia.

2. Momento de Oração inspirada em Taizé... Cânticos, silêncio, oração pessoal e comunitária. Deus continua a chamar. Possa cada um responder...

A Morte do pai e o acidente que lhe pôs o carro na sucata (Padre José Carlos)

terça-feira, 13 de abril de 2010

Rumo ao Dia da Igreja Diocesana: dia 6 de Junho


Nota Pastoral de D. António Francisco sobre o próximo dia da Igreja Diocesana (6 de Junho de 2010)


A Paz esteja convosco. É esta a saudação pascal que vos dirijo com Cristo ressuscitado.

Neste tempo pascal guardo ainda a beleza da celebração da missa crismal na nossa Sé Catedral em Quinta-feira Santa. A presença de tantos sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e leigos encheram de alegria o coração do bispo diocesano e inundaram aquele templo, de que hoje se celebra o dia litúrgico da sua Dedicação. Quero acreditar que a alegria ali vivida também transbordou para todas as paróquias da nossa Diocese.
É com estes sentimentos de júbilo e de alegria pascal que vos anuncio o Dia da Igreja Diocesana para o qual convoco todos e cada um dos diocesanos de Aveiro.
No próximo dia 6 de Junho, no Parque de Exposições de Aveiro, queremos fazer a experiência desta Igreja de Aveiro no seu todo, crianças, jovens, adultos, famílias, paróquias, serviços, movimentos, instituições e associações. Queremos sentir e viver esta Igreja Diocesana que cresce na fé e a celebra festivamente. Queremos experienciar a alegria de vivermos em comunhão e de construirmos juntos a Igreja de Cristo em Aveiro.

Convoco-vos, caros irmãos e irmãs na fé, para a Festa da Esperança. Quero celebrar neste dia a Eucaristia com todos. Quero com todos os cristãos da Diocese mostrar ao mundo a razão da nossa esperança: Cristo ressuscitado.
Ancorados em Cristo e firmes na fé, vamos inundar as ruas da nossa cidade de Aveiro, vamos mostrar que não temos vergonha da nossa fé, vamos sentir a força da comunhão e a alegria de estarmos juntos na oração, na celebração da Eucaristia e no convívio.
É deste modo simples mas intenso que queremos também encerrar o Ano Sacerdotal que nos foi proposto viver. A Igreja de Cristo presente em Aveiro com o seu bispo, sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas quer mostrar a gratidão pelo dom de Cristo à humanidade na vida e missão dos nossos sacerdotes.
Para que este dia possa contar com a presença de todos, sobretudo a partir da eucaristia peço que todas as celebrações eucarísticas deste dia na nossa Diocese terminem no máximo às 10.30H.

Também para este dia é proposto a toda a diocese o concurso “A minha Igreja”. Esta é uma iniciativa que pretende envolver as nossas catequeses, aulas de EMRC, Jardins-de-infância e todos, em geral. Pela imaginação e criatividade de cada um tornaremos mais presente e visível, cada uma das comunidades cristãs da nossa diocese.
No próximo dia 6 de Junho, quero sentir mais intensa e jubilosa a alegria de convosco ser Cristão e de para vós ser Bispo, em Aveiro.

Confio a Maria, a nossa Mãe do Céu, e a Santa Joana, nossa Padroeira, este Dia da Igreja Diocesana e imploro para todos os participantes e para todos os diocesanos a sua bênção e intercessão.

Aveiro, 11 de Abril de 2010 – Dia da Sagração da nossa Catedral, Igreja Mãe da Diocese.
António Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro

Saber ouvir não é fácil...mas é gratificante! (Padre Júlio Grangeia)

O mais dificil não é fazer propostas (Padre Paulo Gandarinho)

"Hoje é tão dificil encontrar-me a mim como ao Presidente da Câmara" (Padre João Paulo)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Homenagem do Clero do Arciprestado de Águeda à D. Anunciação

A D.Anunciação é não só a Cozinheira e a Empregada Doméstica dos Padres da Unidade Pastoral de Águeda como é também uma grande amiga de todos os Padres do Arciprestado de Águeda.
Todos os anos faz questão - e ai de quem não aceita...- de oferecer a todos os padres um lauto almoço confeccionado com as suas economias onde não falta sequer o leitão...
Para de alguma forma retribuir esta gentileza os Padres do arciprestado, num desses almoços, surpreenderam a D.Anunciação e ofereceram-lhe uma singela lembrança...
O Video diz aquilo que ainda falta dizer...

A maior dificuldade é "expor-me aos outros" (Padre José Carlos)

O que me faz sentir mal é ver que as pessoas às vezes "fazem por fazer"! (Padre Costa Leite)

O mais complicado é "desatar nós" (Padre Jorge Fragoso)

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Clero de Águeda e Oliveira do Bairro em passeio-convívio conjunto


Em Ano Sacerdotal, dia ficou marcado pela homenagem-evocação do Monsenhor Raul Duarte Mira

O Clero dos Arciprestados de Águeda e de Oliveira do Bairro realizaram, no dia 7 de Abril, um passeio-convívio conjunto. Ao todo, Vinte padres e diáconos participaram na iniciativa que assinalou, de forma especial, o Ano Sacerdotal, promulgado pelo Papa Bento XVI, e que serviu para um convívio proveitoso de todos os participantes e ainda para prestar homenagem ao Monsenhor Raul Duarte Mira, natural do Luso, e que foi presbítero da Diocese de Aveiro, onde exerceu diversificados cargos, chegando a ser Vigário Geral.
A jornada começou pelas 10h00 e, transportados em autocarro, a comitiva seguiu para Penacova, onde foi possível apreciar a paisagem sobre o Rio Mondego, não sem antes fazer a Oração da Manhã, com a Hora Intermédio do Ofício Divino.
O Mosteiro de Lorvão foi a paragem seguinte, na qual se realizou uma visita guiada ao Mosteiro que foi casa de três diferentes Ordens Religiosas e onde estão sepultadas as filhas de D. Sancho I, D. Teresa e D. Sancha. Os padres e diáconos foram atendidos pelo guia do Mosteiro que os levou a ver a Igreja do século XVIII, o Claustro e ainda o pequeno Museu, localizado na Sala do Capítulo.
A próxima paragem decorreu para o almoço partilhado, em jeito de piquenique, junto aos Moinhos de Penacova, com uma vista fabulosa, para as localidades envolventes. O almoço – onde nada faltou, fruto da exímia organização do Pe. Cruz, de Oliveira do Bairro – foi tempo de ameno convívio, onde não faltou a alegria e a boa disposição, que, aliás, foram marca característica de todo o dia.
O passeio seguiu, depois, até à Mata Nacional do Bussaco e ao Luso, onde os participantes passaram a maior parte da tarde. Alguns mais corajosos ainda fizeram a pé, o percurso desde a Cruz Alta até ao Palace Hotel. E, aqui, palmas ao Pe. José Belinquete que não virou a cara ao desafio.
Um dos momentos altos do passeio aconteceu logo depois: na freguesia do Luso, os padres e diáconos dos dois Arciprestados aveirenses evocaram e homenagearam o Monsenhor Raul Duarte Mira, junto do seu busto, colocado no adro da Igreja paroquial, em Maio de 2008. O Monsenhor João Gaspar, que também participou no passeio, orientou um pequeno, mas sentido, momento de oração, dando graças pela vida sacerdotal e de entrega a Deus e aos irmãos do Monsenhor Mira.
Do Luso, a comitiva partiu para terras de Oliveira do Bairro, onde, na Igreja paroquial de Fermentelos, houve a celebração da Eucaristia. Momento festivo, de acção de graças, de gratidão e de súplica congregou clero e algumas dezenas de fiéis. O Pe. Júlio Grangeia, arcipreste de Águeda, presidiu à Eucaristia, que foi dinamizada e animada por um grupo de jovens de Fermentelos, que ofereceram a cada um dos padres e diáconos uma pequena lembrança pascal. O presidente da celebração aproveitou para dizer, agradecendo o gesto, que a melhor oferta que poderiam fazer, era que alguém se sentisse interpelado e impelido a entregar a sua vida a Cristo, no ministério sacerdotal ordenado.
Finda a Eucaristia, alguns dos participantes ainda se dirigiram para o Centro Pastoral de Fermentelos onde se realizou novo convívio (agape) à volta da mesa.
No cômputo geral, foi uma jornada de verdadeira alegria e boa disposição, na qual padres e diáconos de dois Arciprestados quiseram estar juntos para conviver. E, sem datas marcadas, ficou registado, na memória e no coração dos participantes, que para o ano se pode repetir.
Mais Fotos

José António Carneiro
Delegado da Comunicação Social e Internet

terça-feira, 6 de abril de 2010

Tertúlias à Quarta em directo na TV Online: Bento XVI – Um Papa para este tempo?

O Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro (ISCRA) em parceria com o Centro Universitário Fé e Cultura (CUFC), organizam mais umas “Tertúlias à Quarta”. Este mês, o convidado é o Pe. António Vaz Pinto que nos vem falar sobre o tema: Bento XVI - Um Papa para este tempo?
Esta tertulia será moderada pelo Dr. António Jorge, director-adjunto do Semanário Correio do Vouga. À semelhança das anteriores, estas sessões serão transmitidas em directo através do endereço do site da diocese (http://www.diocese-aveiro.pt/tvdirecto.asp).
Além disso há a possibilidade de acompanhar em directo através das redes sociais da diocese nos 2 canais próprios criados para o efeito, nomeadamente no facebook( http://www.facebook.com/dioceseaveiro ) e no twitter ( http://www.twitter.com/dioceseaveiro ).
Todas estas tertúlias serão ainda disponibilizadas posteriormente para consulta no canal do Youtube da Diocese ( http://www.youtube.com/dioceseaveiro ).

"O mais complicado para mim é estar com pessoas que gostam de ser ignorantes" (Padre Camões)

As Pessoas olham para nós de uma forma diferente! (Padre M.Armando)

sábado, 3 de abril de 2010

Missa Crismal na Sé e Mensagem do Bispo de Aveiro



Veja aqui como foi a Missa Crismal na Sé de Aveiro, em Quinta-feira Santa. As fotos são do Pe. Júlio.



Aqui deixamos a Mensagem da Páscoa do Bispo de Aveiro, D. António Francisco

Celebrar a Páscoa, ancorados em Cristo e firmes na fé (Col 2,7)


Irmãos e Irmãs

Que a alegria de Jesus ressuscitado esteja convosco!

1.Com esta saudação jubilosa quero dirigir-me a todos vós que celebrais as festas pascais, sentis atracção por Jesus Cristo e quereis encontrar e contemplar o rosto do Ressuscitado na realidade social e cultural do dia-a-dia, na vida em família e nos acontecimentos da Igreja.

Jesus ressuscitou e oferece uma nova luz para o nosso olhar, uma rocha firme para a nossa fé. A morte foi vencida e deixa aberta a porta do futuro, que Deus faz nascer em cada Páscoa.
O pecado é redimido pela justiça purificadora da cruz e da ressurreição e o egoísmo cede o lugar ao amor de doação, que é confirmado como regra de vida com valor definitivo.

Esta certeza enche-nos de alegria e faz exultar o nosso coração. Dá solidez às nossas convicções e revigora as nossas forças. Eleva o nosso espírito e mostra-nos que “tudo é possível a quem crê”.

Foi este o lema da caminhada quaresmal que queremos prosseguir no tempo pascal com energia redobrada. Por isso, continuamos a seguir os passos de Jesus, agora nas suas aparições aos discípulos.
Estas aparições são encontros exemplares de quem acaba de viver uma tragédia de morte e desilusão, que se transforma em fonte de vida, força de convocação e raiz de esperança.
Esta é a novidade gerada pelo Senhor ressuscitado no coração daqueles que fizeram a experiência de O ver glorificado. A partir de então, tudo é visto, apreciado e valorado de acordo com novos critérios: a razão humana como a aliada natural da fé, o amor conjugal como a relação normal entre homem e mulher, a verdade como força que liberta, a confiança como atitude estruturante da vida em sociedade, a solidariedade como expressão da responsabilidade de todos por cada um.

Jesus Cristo constitui de facto a origem de uma nova humanidade que, sob o impulso do Espírito Santo, vai germinando sempre que, de forma coerente, adoptamos os seus critérios de acção.

A fé cristã brota desta certeza inconfundível. Quem a vive, sente e irradia a alegria de ser amado por Deus, sabe apresentar as razões da esperança que nos animam, assume uma presença pública activa, conhece as forças que influenciam os centros de decisão e procura os meios adequados de intervenção, mantém uma atenção delicada a quem não crê ou a quem escolheu o caminho da indiferença religiosa, fazendo-lhes chegar a mensagem de que o ser humano encontra a sua plenitude de humanidade, seguindo o Evangelho de Jesus Cristo, a fonte inesgotável da verdade, do amor, da beleza e do bem.

A pedagogia do encontro pascal é assumida pela Igreja para iniciar na fé os candidatos à vida cristã e fazer a sua inserção na comunidade pascal. Constitui um bom guia e oferece-nos um grande apoio para a nossa abertura ao dinamismo missionário, para o nosso acolhimento fraterno a quantos procuram a Igreja e para todo o nosso trabalho pastoral, sobretudo nesta fase do nosso plano diocesano de pastoral.

2.No tempo pascal, ocorre a visita do Santo Padre a Portugal. É uma feliz coincidência e uma abençoada oportunidade para acolher o sucessor de Pedro, a testemunha privilegiada de Jesus ressuscitado.
Esta visita constitui um acontecimento de enorme importância por várias razões, sendo de realçar: a pessoa e o ministério do Papa, a situação cultural da sociedade portuguesa e os desafios com que se debate a Igreja em Portugal.
Bento XVI vem até nós como peregrino e convida-nos a caminharmos com ele na redescoberta da “caridade na verdade” e na sabedoria da fé e da esperança que humaniza as relações humanas e sociais.

A propósito da sua vinda, a Conferência Episcopal Portuguesa publicou uma Nota Pastoral que muito nos pode ajudar e que, por isso, recomendo vivamente.

O Santo Padre vem como pastor da Igreja universal a confirmar-nos na fidelidade a Jesus Cristo, no amor à Igreja e no serviço aos irmãos em humanidade.
Vamos aproveitar esta oportunidade singular para estarmos próximos, acompanhar o seu percurso, acolher a sua mensagem, saborear a sua presença. Vamos procurar conhecer melhor o seu pensamento e demonstrar-lhe a nossa comunhão agradecida.

3.Sabemos como o Papa Bento XVI cultiva um amor de eleição para com os sacerdotes e, a fim de avivar a sua fidelidade a Jesus Cristo, dedicou o Ano Sacerdotal a ser celebrado em toda a Igreja.

Em sintonia com ele, também nós queremos agradecer os padres que servem com inexcedível generosidade a Igreja que somos e reconhecemos a urgência de haver “padres para tempos novos”. E sabemos que “o testemunho sacerdotal suscita vocações”, como nos lembra a mensagem para o Dia Mundial das Vocações, a celebrar a 25 de Abril, p.f. Agora, é necessário ser coerente e passar à prática, inspirando todo o nosso viver e o nosso agir pastoral desta cultura vocacional.

A nossa Diocese tem realizado várias iniciativas mobilizadoras. A nível de padres, de diáconos, de leigos e de religiosas. A nível de comunidades, serviços pastorais e movimentos apostólicos.
Muitos cristãos vivem um amor crescente pelo nosso Seminário. Há um clima vocacional promissor, sobretudo entre os jovens. A Casa Sacerdotal, qual santuário de gratidão, está a chegar à fase de construção. A hora é de esperança fundada e de alegria confiante.

Desejo a todos os diocesanos e a quantos se acolhem neste belo espaço geográfico da diocese de Aveiro ou nos visitam neste tempo, que possais viver estes acontecimentos festivos com espírito pascal.
Convido-vos a encontrar a presença de Jesus ressuscitado no esforço sincero de quem procura Deus e na coragem cristã de quem alcança e quer partilhar esta experiência pascal na alegria da fé, fundamento de esperança para o mundo.

Que a Senhora da Cruz e da Páscoa, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, nos ilumine neste caminho pascal, guie os nossos passos na firmeza da fé e da fidelidade e oriente o nosso olhar no horizonte do amor infinito de Deus. Uma santa e feliz Páscoa.

Aveiro, 30 de Março de 2010

+António Francisco dos Santos
Bispo de Aveiro